Influenciador digital deve registrar marca? Veja a opinião de especialistas

Influenciador digital deve registrar marca

Se você trabalha com a sua imagem e seu poder de influência na internet, provavelmente a pergunta “influenciador digital deve registrar marca?” já deve ter passado pela sua cabeça. Neste artigo, você verá que sim: é imprescindível fazer o registro de marca no seu caso.

Trazemos aqui alguns argumentos que te ajudarão a não se enxergar apenas como uma pessoa que influencia outras, mas como uma marca.

Explicaremos ainda que, por ser uma marca e trabalhar em um lugar que muitas vezes parece “terra de ninguém”, o registro é a estratégia mais segura para atribuir ao seu trabalho profissionalismo, credibilidade e segurança.

Por fim, ilustramos nossa argumentação com alguns exemplos da vida prática em que personalidades que trabalham com a comercialização de sua influência sofreram com problemas relacionados ao registro de marca. Confira!

Você é a sua marca

Antes de qualquer outra informação, é importante que você, influenciador, reconheça que trabalha como uma marca. Ou seja, no seu caso, você é uma marca.

Mas, o que isso significa?

Em linhas gerais, uma marca comercial é tanto o nome, o logo e o slogan que fazem referência aos produtos ou serviços de uma empresa. Perante as pessoas, estes elementos identificam a empresa.

Quando você entende que é uma marca, você entende também que presta serviços como uma empresa – logo, é uma empresa também.

Se você observar com calma como funciona o seu trabalho, verá que se trata de uma prestação de serviços. Empresas e marcas:

  1. entram em contato com você,
  2. determinam como será a divulgação de seus produtos ou serviços,
  3. negociam a forma de remuneração (permuta, produtos, descontos, pagamento),
  4. ajustam todos os detalhes do que será dito e mostrado,
  5. analisam os resultados de cada campanha publicitária,
  6. decidem se continuarão com a relação de parceria.

A relação é completamente comercial. Assim sendo, não se comportar como uma empresa transparece amadorismo e não protege o seu trabalho de uma série de problemas legais.

Sem o registro de marca, outros influencers podem usar o nome escolhido por você para divulgar o seu trabalho. Além disso, sua imagem, seus vídeos, fotografias e qualquer outro tipo de material publicitário fica desprotegido.

Para entender melhor por que o influenciador digital deve registrar marca, confira os principais benefícios dessa decisão logo abaixo!

Influenciador digital deve registrar marca

Vantagens de ter marca registrada como influencer

1. Profissionalismo aos olhos das empresas contratantes

O primeiro motivo pelo qual o influenciador digital deve registrar marca é a garantia de mais profissionalismo perante as marcas com as quais você já trabalha ou pode trabalhar no futuro.

De modo geral, as marcas procuram influenciadores com uma audiência de tamanho razoável a fim de conseguirem mais clientes para seus serviços e produtos. No entanto, não basta ao influenciador ter uma grande quantidade de seguidores. A credibilidade também importa.

É indispensável garantir que todo o material publicitário que você produz para uma marca esteja seguro e o registro de marca oferece essa segurança.

Além disso, essa medida de profissionalismo deixa evidente o fato de que você se comporta como uma empresa, o que torna todas as negociações entre você e outra marca mais profissionais.

2. Proteção da credibilidade perante os consumidores/seguidores

Como influenciador, um dos perigos aos quais você está sujeito é a perda de credibilidade perante aqueles que confiam no seu trabalho.

As pessoas que acompanham o conteúdo que você divulga têm como pressuposto a ideia de que você recomenda aquilo que de fato usa e aprova. Portanto, quando algo acontece de modo a revelar que a sua palavra não é verdadeira de alguma maneira, essa confiança dos seus seguidores fica abalada.

Sem o registro de marca, outras marcas podem usar da sua credibilidade para promover seus produtos sem consequências legais.

Por exemplo, há pessoas pouco profissionais que podem usar a sua imagem e o seu nome para divulgar um produto ou serviço que você não usa ou que não combina com os valores pelos quais você preza.

Nesse caso, sem um registro, você fica com menos recursos legais para processar essas marcas pelo uso indevido da sua marca. Ainda que você consiga recuperar a credibilidade perante a sua audiência, nem sempre essa recuperação é total.

3. Outras marcas e influencers precisarão da sua autorização para usar sua marca para finalidades comerciais

Esta é uma das principais vantagens que você terá ao regularizar o seu registro de marca. Para que qualquer pessoa use o seu nome (sendo a sua marca o seu nome verdadeiro ou um nome artístico), é necessário pedir autorização.

Ademais, fica proibido que, para fins comerciais, como a nomeação de um produto, empresa ou serviço, o seu nome registrado seja utilizado. Apenas você pode comercializar qualquer coisa, o que se torna altamente lucrativo principalmente quando você trabalha com influência.

As empresas, para vincularem o que elas vendem ao seu nome, só poderão fazer negócios com você. Esta também é uma vantagem financeira.

4. Ninguém poderá “roubar” a sua marca

Por fim, quando falamos em benefícios para o influencer que decide registrar sua marca, um dos principais é a segurança de que ninguém poderá se apropriar do nome que você construiu.

Por exemplo, se você tem um nome comum ou incomum e resolve registrá-lo, mesmo que muitas pessoas tenham o mesmo nome, elas não podem usá-lo em nada que seja comercial.

Você se torna “o dono do nome” e essa propriedade é assegurada legalmente.

Casos famosos que inspirarão você a registrar a sua marca o quanto antes!

Agora que você já conhece alguns dos principais motivos pelos quais um influenciador digital deve registrar marca, vamos explorar alguns casos que ganharam projeção midiática. Nestes casos, pessoas públicas e empresas precisaram disputar com outras marcas (comerciais e pessoais) pelo uso indevido de marcas já registradas.

É importante que você conheça casos assim para ver que mesmo marcas muito consolidadas no mercado podem sofrer com problemas de registro. Porém, aquelas que se preparam com armas legais para lidar com os problemas, isto é, fazem o registro prévio de marca, conseguem lidar com cada questão com muito mais tranquilidade.

Influenciador digital deve registrar marca

1. Rebecca vs Barbie

O primeiro caso que abordaremos é bastante recente. No dia 14 de janeiro de 2022, as cantoras Rebecca, Pocah, Lexa e Danny Bond lançaram a música “Barbie”.

No videoclipe da canção, as cantoras aparecem vestidas com roupas semelhantes à da boneca Barbie, além de figurarem em caixas da boneca em tamanho real. Inclusive, a própria Rebecca aparece deitada em uma banheira cheia de bonecas. Na canção, a marca “Barbie” é citada diretamente em vários trechos também.

Observamos aqui um caso em que uma marca cita outra e se apropria da imagem desta outra para fins comerciais. A intenção das cantoras, principalmente de Rebecca que é a cantora principal, é comercializar a canção.

O caso não apresentaria nenhum problema se a profissional tivesse contatado a marca Barbie para pedir autorização pelo uso do seu nome e de alguns aspectos da sua imagem. No entanto, não foi isso o que aconteceu e a Mattel, empresa proprietária da marca Barbie, acionou Rebecca por uso indevido da marca no clipe.

O status das negociações entre a cantora e a Mattel segue desconhecido.

O que você pode aprender com o caso?

Você, sendo um influenciador, sabe que pode processar outras marcas que usarem os nomes que você registrou ou a sua imagem sem autorização expressa. Seu direito é protegido pela Lei 9.610, portanto, a internet não é uma “terra sem lei” para aqueles que se protegem legalmente.

Por outro lado, fica o alerta para que você, como influenciador, também evite problemas com marcas profissionais e pessoais quando for vender produtos e serviços. O uso indevido do nome de uma marca pode trazer sérios problemas.

Por exemplo, no caso de Rebecca, a Mattel pediu que o videoclipe da canção Barbie “fosse derrubado por tempo indeterminado”. No caso de uma campanha publicitária, se isso acontecer com você, os prejuízos decorrentes do uso indevido de uma marca podem representar um ataque à sua reputação e aos seus ganhos.

2. Kylie Minogue vs Kylie Jenner

Se você trabalha com influência, sabe que é muito comum que influenciadores e influenciadoras tenham o mesmo nome. Nesses casos, quem é mais rápido registrando sua marca com o próprio nome é a pessoa que vai poder comercializar produtos e serviços com aquele nome.

Esse é um problema que não apenas os influenciadores pequenos sofrem. Apresentaremos a você a disputa de duas titãs do mundo das celebridades.

Kylie Jenner praticamente dispensa apresentações, sendo uma das filhas mais bem-sucedidas do clã Kardashian-Jenner e uma das empresárias de maior sucesso da história dos Estados Unidos.

Ela trabalha com diversas linhas de maquiagem e produtos dermocosméticos, sendo detentora de marcas como Kylie Cosmetics, Kylie Skin, Kylie Swim e Kylie Baby. Veja que, em todas essas marcas, seu nome está presente.

No entanto, no mundo das celebridades, Kylie Jenner não é a única Kylie de sucesso. A cantora australiana Kylie Minogue também tem reconhecimento mundial não só por suas canções como pelos papéis que ela performou no cinema.

Nesse contexto, é previsível que, em algum momento, as marcas entrariam em conflito. Desde o ano de 2014, as duas personalidades estão em disputa para obter os direitos sobre o nome “Kylie” para fins comerciais. Por enquanto, a australiana levou a melhor, impedindo que Jenner tenha exclusividade sobre o nome.

O que você pode aprender com o caso?

Se você tem um nome “comum” que ainda não foi registrado, adiante-se e faça o registro para ser a única pessoa que detém os direitos de comercializar produtos e serviços com o seu nome.

Essa exclusividade será muito útil em termos financeiros.

Por outro lado, é necessário ter cautela na hora de usar o seu nome comercialmente se você ainda não registrou a sua marca. É possível que outro influenciador seja o detentor dos direitos comerciais deste nome, o que coloca você em uma posição vulnerável perante a Lei.

3. Camila Coutinho vs Garota Estúpida

Falaremos por último de um caso em que o nome envolvido não é necessariamente o nome do influenciador, mas de uma marca que ele registrou.

Em 2006, a influenciadora Camila Coutinho criou o primeiro blog de moda brasileiro: Garotas Estúpidas. A partir de então, ela tem comercializado uma série de produtos com essa marca, que foi devidamente registrada no INPI (bem como o nome Camila Coutinho).

Por exemplo, Camila tem uma linha de produtos intitulada “GE”, em referência a essa primeira marca associada a ela. Assim, outras influenciadoras e empresas não podem se valer do nome Garotas Estúpidas ou GE para seus próprios interesses comerciais.

Em 2018, Camila processou uma marca de cosméticos que queria utilizar o nome comercial “Garota Estúpida”, o que claramente poderia confundir o consumidor das marcas de Camila, bem como lesar os ganhos das marcas que ela tem.

Neste caso, Camila ganhou o processo e a empresa de cosméticos não pôde mais comercializar nada com o nome que fazia alusão à marca da influenciadora.

O que você pode aprender com o caso?

Se, além do seu nome, você usa um codinome ou nome artístico com o qual trabalha como influenciador, como o nome do seu blog ou canal, registre também este nome.

Fazendo como Camila, você passa a possuir mais argumentos legais para se proteger em caso de tentativas de apropriação indevida.

Influenciador digital deve registrar marca

Considerações finais

Esperamos, com este artigo, ter convencido você de que um influenciador digital deve registrar marca para evitar uma série de problemas. Ademais, essa é uma decisão que ajudará você a garantir diversos benefícios associados à propriedade dos direitos de comercialização da sua marca.

Para lidar com o processo de registro, consulte os serviços aqui da Apolo Marcas. Para registrar o seu nome, é importante contar com o apoio de profissionais acostumados a lidar com toda a burocracia envolvida.

Temos uma reputação consolidada no mercado trabalhando com várias frentes: registro de marcas, registro de patentes, registro de software, registro de desenho industrial e até procedimentos relacionados aos direitos autorais.

Ajudaremos você deixando todo o procedimento mais transparente, prático e efetivo. Além disso, explicaremos em quais categorias o seu trabalho se encaixa para que você não tenha dores de cabeça.

Para começar, que tal uma consultoria gratuita? Entre em contato conosco!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fale com um especialista por whatsapp